Dica de Produtividade

No Outlook 2007:


  1. você recebe um e-mail e precisa realizar várias tarefas nele, sendo importante que receba um lembrete delas;
  2. simplesmente arraste o e-mail para uma data no seu calendário e “voilla”, um novo compromisso estará criado, já com os dados do e-mail. Nada mais de ficar apenas inserindo lembretes nas mensagens;
  3. complete com o horário do compromisso;
  4. salve e feche;
  5. tudo pronto!

Linux Losing Market Share to Windows Server

Pois é amigos, o Linux está perdendo terreno. Confira a notícia em seu idioma original abaixo, para evitar que me acusem de alterar algo… 

Link to article: http://www.eweek.com/article2/0,1895,2207368,00.asp

 

 

Linux Losing Market Share to Windows Server
By Peter Galli


Experts say that migrations from Unix to Linux have slowed down because all the low-hanging fruit has now been picked.

Linux growth in the U.S. x86 server market has, over the past six quarters, started to falter and reverse its positive course relative to Windows Server and the market as a whole.

The annual rate at which Linux is growing in the x86 server space has fallen from around 53 percent in 2003, when Windows Server growth was in the mid-20 percent range, to a negative 4 percent growth in calendar year 2006, IDC Quarterly Server Tracker figures show.

Over the same time period, Windows has continued to report positive annual growth, outpacing the total growth rate in the x86 market by more than 4 percent in 2006, indicating that Linux has actually lost market share to Windows Server over this time.

The same holds true for worldwide Linux x86 server shipments, which dropped from the huge annual growth rate of about 45 percent is 2003 to growth of less than 10 percent in 2006, the IDC figures show.

One of the biggest reasons for this is that the migrations from Unix to Linux have slowed down markedly.

PointerIs open source dying? Click here to read more.

“We have seen the rate of migration from Unix slow over the past few quarters,” IDC analyst Matt Eastwood told eWEEK. “In my view this is because much of the low-hanging fruit has been moved and the applications that remain on Unix are stickier because they are seen as business critical and more political candidates for migration overall.”

eWEEK.com Special Report: Enterprise Wars: Linux vs. Windows

IDC analyst Al Gillen pointed out that the number of servers shipped does not perfectly equal the number of operating systems in the market. This is particularly the case with Linux where a substantial portion of the overall market opportunity comes from deployments aboard recycled servers, PCs and workstations deployed as servers, and Linux deployed as a guest operating system.

“This does not contradict any trending taking place on server hardware,” Gillen said.

He added: “But we do need to remember that the Linux software ecosystem does not track exactly the same as does x86 hardware shipments.”

PointerClick here to read more about how Windows Server is wooing away Linux customers.

Margaret Lewis, the director of commercial solutions for AMD in Austin, Texas, has also noticed the slowdown in Linux growth over the past few quarters.

In 2000, Windows comprised about half of the server operating system market, followed by Unix and Netware at about 17 percent each and Linux reaching towards 10 percent, she said, noting that today Windows owns about 70 percent, Linux about 20 percent, with Unix below 10 percent and Netware barely registering.

“Looking at these large operating system market swings, you could draw the conclusion that Linux has gotten the ‘low-hanging fruit’ in terms of migration,” Lewis said.

“Without the larger pool of Unix and NetWare users who are ripe for migration, there is not quite the level of fuel. You could assume that Linux is now ready to settle down to a more regular growth curve representative of a more mature technology.”

eWEEK.com Special: Windows Server</ZIFFSECTION

The fact that Windows has maintained a steady growth rate over this same time frame could be the result of companies expanding their Windows-based IT infrastructure to meet the demands of users who always want to be online, she said.

“Windows-based Web hosting sites are experiencing strong growth, the Exchange infrastructure is expanding to offer unified messaging and many small businesses are moving to a real server infrastructure for basic infrastructure instead of a network of desktops,” Lewis said.

PointerRead more here about how some Windows Server 2008 features address the Linux challenge.

Bill Hilf, general manager of Windows Server marketing and platform strategy at Microsoft in Redmond, Wash., has also noticed these trends, and says that increased customer adoption of Windows Server 2003 in a broad range of enterprise scenarios is driving significant growth of that business.

“I spend a lot of time talking with both Linux and Windows customers and partners, and the feedback that I hear is that, in volume, Linux is primarily deployed in two workloads—high-performance computing and as Web servers,” Hilf told eWEEK.

“It appears that Linux server growth is moderating considerably and, while it’s certainly still a player, it’s not being considered across the broad range of workloads that Windows Server is, from ERP to CRM to messaging and collaboration to core infrastructure like file and print,” he said.

PointerCheck out eWEEK.com’s Linux & Open Source Center for the latest open-source news, reviews and analysis.

Chegou o meu Windows Home Server

Amigos, hoje chegou o meu Windows Home Server, agora é instalar a versão final dele e começar a brincar…


Sim, eu sei que ainda não foi oficialmente lançado no Brasil, mas a versão final foi doada aos beta testers mais ativos em relatórios e aí me incluí… [:D].


Vejam só o kit que recebi:



 


Apenas não me perguntem para que serve aquele negócio laranja porque ainda não consegui descobrir. Estou chamando ele de porta bagulho, já que veio como carrying case… [H].


Mas cabe um copo dentro dele, talvez sirva para café quente…

Parceria Microsoft e TurboLinux é expandida

Nesta segunda-feira, 22/10, a Microsoft e a Turbonlinux – cliente e distribuidor e servidor Linux para Japão e China – anunciaram um amplo acordo de negócios que expande suas colaborações mais recentes. O acordo avança no ramo de operações conjuntas, pesquisas futuras e colaborações de desenvolvimento, assim como no fornecimento de segurança de IP para usuários Turbolinux. Um ponto chave para o consumidor é o desenvolvimento de uma solução colaborativa de “entrada única”, que permita a usuários a usar um set de credenciais para entrar em dispositivos Windows e Turbolinux.

ECMA OpenXML

Referências sobre o tema:


·               http://porta25.com.br – Comunicação sobre iniciativas Microsoft e Open Source


·               http://microsoft.com/opensource – site da Microsoft sobre o tema Open Source


·               http://www.OpenXmlDeveloper.org/ – artigos, tutoriais, samples, Especificação da ECMA, Videos e um e-book gratuito


·               http://www.OpenXMLCommunity.org/ – Comunidade que apóia o OpenXML


·               http://www.codeplex.com/NDOS – 8 Demos e um projeto de conversor Texto -> OpenXML


·               https://www.microsoft.com/downloads/details.aspx?FamilyId=941B3470-3AE9-4AEE-8F43-C6BB74CD1466&displaylang=en - Microsoft Office Compatibility Pack for Word, Excel, and PowerPoint 2007 File Formats


·               http://odf-converter.sourceforge.net/ – OpenXML/ODF Translator Add-ins for Office


·               http://www.microsoft.com/downloads/details.aspx?FamilyId=AD0B72FB-4A1D-4C52-BDB5-7DD7E816D046&displaylang=en - Microsoft SDK for Open XML Formats


·               http://www.codeplex.com/PHPExcel – PHP Excel 2007 classes


·               http://sourceforge.net/projects/openxml4j/ – OpenXML4J – Open XML library for Java


·               http://notes2self.net/archive/2007/03/05/OpenOffice-OpenXML-support-_2D00_-screenshots.aspx - OpenOffice e OpenXML


·               http://blogs.msdn.com/jasonmatusow/archive/2007/09/12/independent-implementations-of-open-xml.aspx - Adoção do OpenXML


Por último é muito importante divulgarmos exemplos, com código fonte disponível, do OpenXML em aplicações, é só seguir o link:


 


http://www.codeplex.com/NDOS/Wiki/View.aspx?title=OXML%20e%20Interoperabilidade&referringTitle=Home

Computação de alta performance em Gramado

Na próxima semana, entre os dias 24/10 e 27/10 será realizada a 19ª edição do Simpósio de Arquitetura Computacional e Computação de Alta Performance. O evento apresentará novos desenvolvimentos e aplicações de alta performance, além de tendências.

Este ano, o simpósio acontecerá em Gramado, Rio Grande do Sul. Durante o evento, será realizado o primeiro encontro entre os bolsistas dos Microsoft Innovation Centers para Interoperabilidade com Open Source da Unicamp e UFGRS. O objetivo é promover a integração entre as equipes das duas universidades.

“Queremos que uma equipe possa trocar idéias, sanar dúvidas, enfim, colaborar de maneira mais próxima à outra. Temos projetos complementares, por exemplo, em HPC, onde o Danilo, da UFRGS, trabalha com avaliação de performance enquanto, na Unicamp, Raul, Bruno e Denis trabalham com o Interop Cluster, que permite a distribuição de trabalhos entre clusters, independente de seu sistema operacional”, diz Cesar Brod, coordenador dos bolsistas.

Coisas que ninguém sabe sobre a Microsoft, por Meio Bit

Local: BlogsRoberto Prado    
Colocado por: Roberto Prado 25/10/2007 7:56

Nesta quinta-feira, o Meio Bit publicou um post com o título “Coisas que ninguém sabe sobre a Microsoft“. Reproduzo abaixo, pois vale a pena ler.

A Microsoft, já há muitos anos, é vista por muitos como a verdadeira encarnação do demo. O anti-cristo em pessoa (jurídica). Porém a grande maioria das pessoas que defendem esta visão apocaliptica não conhecem alguns detalhes a respeito do que a empresa oferece, do que ela faz e de seus produtos. Então a questão é: se você deseja falar bem ou mal, não interessa, mas faça isso sabendo o que está falando. Portanto, segue abaixo uma pequena lista. Se descobrir que desconhece a grande maioria dos fatos, é bom repensar um bom número de conceitos.

Vamos ao estilo “Você Sabia ?”:

1) Que governos têm direito de acesso ao código fonte do Windows para garantir sua soberania nacional?
Veja em http://www.microsoft.com/resources/sharedsource/default.mspx
e http://www.microsoft.com/resources/sharedsource/Licensing/GSP.mspx

2) Que empresas particulares podem ter o direito de acesso ao código fonte do windows na forma de consulta para o desenvolvimento de drivers e outros recursos que necessitem de alta integração com o sistema, em alguns casos de forma paga, em outros de forma totalmente gratuita?

Veja em http://www.microsoft.com/resources/sharedsource/Licensing/Enterprise.mspx e http://www.microsoft.com/resources/sharedsource/Licensing/OEM.mspx e http://www.microsoft.com/resources/sharedsource/Licensing/SystemsIntegrator.mspx

3) Que o código fonte do kernel do Windows não apenas está disponível para uso em sala de aula, mas foi organizado de forma didática para a realização de experiências?

Veja em http://www.microsoft.com/resources/sharedsource/Licensing/WindowsAcademic.mspx

4) Que o Windows CE não é apenas um Windows para dispositivos móveis, mas possui uma ferramenta (Platform Builder) que permite que se monte um novo sistema operacional a partir da escolha de milhares de peças que formam o Windows CE, desta forma criando sistemas operacionais específicos para determinados hardwares (sistemas embarcados) sem o excesso de funcionalidades? Além disso o custo de licença da unidade do sistema operacional é adaptado a partir das partes escolhidas pelo desenvolvedor, podendo ficar um valor a partir de aproximadamente US$ 10,00 a unidade?

Veja em http://msdn2.microsoft.com/en-us/embedded/aa731407.aspx e http://msdn2.microsoft.com/en-us/library/aa448756.aspx

5) Que as urnas eletrônicas brasileiras foram criadas com base no Windows CE embarcado conforme a tecnologia citada no item 4?

http://www.unisys.com.br/news/imprensa/release99.htm
“A Unisys e a Diebold Procomp, fabricantes de urnas eletrônicas de São Paulo, tinham planos de exportar a tecnologia para os países vizinhos. Em vez de emprestar algumas poucas urnas para fazer propaganda, o governo Lula decidiu bancar as eleições alheias. Só para o Paraguai foram emprestadas 15.000 urnas para as eleições de 2005 e 2006. A empresa Vesta, de São Paulo, deixou de vender softwares de compras públicas on-line para a Bolívia porque Lula, em seu primeiro ano no poder, resolveu oferecer ao país, de graça, um programa com a mesma função. “O governo federal não só reinventou a roda com o software livre à custa do contribuinte, como prejudicou a competição no mercado de tecnologia”, diz Paula Santos, sócia da Vesta. É a política do software livre contra o livre
mercado. “

http://veja.abril.uol.com.br/170506/p_068.html

“O governo brasileiro e os partidos políticos brasileiros, por exemplo, realizaram auditoria do código de 50 mil urnas eletrônicas baseadas no sistema operacional Windows CE”
Emilio Umeoka, Presidente da Microsoft Brasil
http://www.camara-e.net/newsletter/2004/newsletter02marco04.html

A desinformação me dá nojo, especialmente quando encontro, tendo como fonte uma universidade, um artigo como este :
http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?pid=S0009-67252002000200012&script=sci_arttext

6) Que qualquer curso de nível técnico ou superior com matérias de informática pode realizar um contrato chamado MSDN AA (US$ 499,00/ano, menos de R$ 1.000,00/ano), através do qual a instituição de ensino ganha o direito de usar os softwares Microsoft (exceto MS Office) em qualquer quantidade nos seus laboratórios, distribuir cópias oficiais em qualquer quantidade para os professores e distribuir cópias oficiais em qualquer quantidade para seus alunos? Muitas universidades nacionais possuem esse contrato, mas infelizmente não divulgam aos alunos e não são organizadas o suficiente para distribuirem os softwares. Se as universidades tivessem aderido em massa a este contrato na época em que o país foi ameaçado devido ao seu volume de pirataria o problema teria sido facilmente sanado.

Veja mais em http://www.microsoft.com/brasil/educacao/comunidadeacademica/msdnaa/default.mspx. Conheça a lista de universidades que possuem o contrato em http://www.msdnaa.net/search/SchoolSearchIntl.aspx

7) Que a Microsoft mantém um repositório curricular no qual existem inúmeros programas de curriculo acadêmico fornecidos como sugestão para uso em sala de aula e podendo ser livremente adaptados?

Veja em http://www.academicresourcecenter.net/curriculum/browse/default.aspx

8) Que a Microsoft mantém o Faculty Connection, algo como uma comunidade voltada ao meio acadêmico e que fornece ao professor o Visual Studio 2005 Professional gratuitamente (isso, claro, se a instituição já não possuir o MSDN AA)?

Veja em http://www.microsoft.com/Education/FacultyConnection/BR/Default.aspx?c1=pt-br&c2=BR

9) Que a Microsoft mantém no Brasil um projeto chamado Aluno Monitor, que permite a inúmeros estudantes de todo o país se dedicarem ao estudo da tecnologia e terem uma grande oportunidade na vida?

Veja em http://www.microsoft.com/brasil/educacao/parceiro/aluno_monitor.mspx

10) Que a Microsoft tem realizado o projeto S2B – Student To Bussiness – anteriormente denominado ProForm – uma preparação de estudantes para o mercado de trabalho que encontra-se extremamente carente de mão de obra? Tudo sem custo algum para o estudante.

Veja em http://proform.msdnbrasil.tempsite.ws/

11) Que o MS Ajax Toolkit, um conjunto de componentes gratuitos para o desenvolvimento web, foi criado com a participação da comunidade – convidada a sugerir e produzir os componentes do Ajax Toolkit, mantendo-os com código fonte aberto e hospedados no CodePlex?

Veja em http://www.codeplex.com/AtlasControlToolkit/Release/ProjectReleases.aspx?ReleaseId=4941

12) Que o MS Ajax tem seu código fonte aberto?

Veja em http://www.microsoft.com/downloads/details.aspx?FamilyID=ef2c1acc-051a-4fe6-ad72-f3bed8623b43&DisplayLang=en

13) Que a Microsoft abriu o código fonte de inúmeras bibliotecas do framework .NET 3.5?

Veja em http://weblogs.asp.net/scottgu/archive/2007/10/03/releasing-the-source-code-for-the-net-framework-libraries.aspx

14) Que a Microsoft criou uma divisão – Patterns & Practices – apenas para pesquisar as melhores formas de realizar desenvolvimento de software com o framework .NET e que esta divisão constantemente disponibiliza código fonte, white papers e manuais que podem ser todos livremente utilizados pelos desenvolvedores?

Veja em http://msdn2.microsoft.com/pt-br/practices/default.aspx

15) Que as licenças de código fonte aberto da Microsoft permitem que você manipule o código fonte à vontade, gerando novos produtos de código fonte fechado e proprietário se assim desejar, ao contrário da licença GPL que foi aplicada, por exemplo, nos drivers do banco MySQL, obrigando a todos que usam MySQL a pagar pela licença ou abrir o fonte de suas aplicações na internet?

16) Que a Microsoft possui versões gratuitas (chamadas de express) de seus atuais produtos de desenvolvimento, sem restrição a uso comercial e incluindo o SQL Server com suporte a bancos de até 4 GB?

Vejam em http://msdn2.microsoft.com/pt-br/express/default.aspx e http://www.microsoft.com/sql/editions/express/default.mspx

17) Que a Microsoft possui sua própria licença de código fonte aberto aprovada oficialmente pelo OSI Board, sendo que a Microsoft seguiu todos os processos  padrões de aprovação, não recebendo nenhum tratamento especial, e que essa licença irá auxiliar muito no processo de interoperabilidade com o Suse,  interoperabilidade esta que irá crescer consideravelmente?

Veja em http://opensource.org/licenses/ms-pl.html e http://opensource.org/licenses/ms-rl.html

18) Que a Microsoft mantém um portal, Porta25, com o objetivo de debater questões de interoperabilidade com outros ambientes?

Veja em http://porta25.technetbrasil.com.br/porta25/

19) Que a Microsoft possui um sistema de eventos on-line – webCasts – gratuito, com inúmeros eventos ocorrendo a cada semana e de alto nível técnico,  permitindo um estudo aprofundado da plataforma sem nem ao menos sair de casa?

Veja em http://www.microsoft.com/brasil/msdn/eventos/eventos.mspx e http://www.microsoft.com/brasil/technet/eventos/webcasts/default.mspx

20) Que a Microsoft fornece grande apoio a eventos realizados pela comunidade de profissionais Microsoft, permitindo até mesmo o registro e divulgação dos eventos no site da própria Microsoft?

Veja em http://www.microsoft.com/brasil/msdn/eventos/EventosPresenciais.mspx

Então, concluindo: Se querem falar bem ou mal, é com vocês, mas falem com conhecimento de causa.

Smartphone 4

Agora vamos rever as configurações direto no dispositivo, para isto faça o seguinte:


Neste tutorial ao invés de colocar textos vou postar as capturas de tela de meu Smartphone (agora vocês poderão ver o tema do Windows Vista nele, [;)]).


Primeiro vamos acessar ao gerenciador de mensagens e escolher o e-mail:


    


Então vamos solicitar as configurações dele clicando em Menu -> Opções



Agora podemos rever cada uma delas


    



 


Agora clicando em Menu ainda podemos conferir mais algumas informações.



 


Pronto, tudo revisto e alterado se fosse o que você desejava.

Smartphone 3

Gerenciamento remoto do Smartphone:


Apagando informações remotamente:


1. Acesse https://ServerName/mobileadmin e informe credenciais de administrador;


2. Clique em Remote Wipe;


3. Digite o nome da caixa de correio que deseja gerenciar ou o SMTP padrão e pressione Enter.


Manage Devices: Remote Device Wipe


4. Clique no link Wipe ao lado do nome do dispositivo. Pronto!


 


Habilitando as configurações de segurança:


1. No servidor abra o Exchange System Manager;


2. Expanda as Global Settings;


3. Dê um clique direito em Mobile Services e selecione Properties;


4. Clique no botão Device Security;


5. Na caixa de diálogo Device Security Settings, configure as opções de segurança que deseja para o seu dispositivo Windows Mobile;


Device Security Settings


6. Se não desejar aplicar estas configurações para algum usuário, clique em Exceptions  e insira o nome do usuário que deseja deixar livre destas configurações;


7. Clique em OK e está tudo pronto!

Smartphone 2

Ok, vamos à configuração agora…


1. Em primeiro lugar você deve instalar o ActiveSynch 4.5 (http://www.microsoft.com/downloads/details.aspx?FamilyID=9e641c34-6f7f-404d-a04b-dc09f8141141&DisplayLang=en) na estação de trabalho que usará para a sincronização local, ou caso rode o Windows Vista nela, o Windows Mobile Device Center 6.1 (http://www.microsoft.com/downloads/details.aspx?FamilyID=46f72df1-e46a-4a5f-a791-09f07aaa1914&DisplayLang=en).


2. Habilite os serviços móveis para os usuários:


a. Abra o console Server Management, clique em Users e dê dois cliques no usuário para o qual deseja conceder direito de acesso;
b. Na guia Properties, selecione a guia Exchange Features e certifique-se de ter todos os serviços habilitados;
User Properties: Exchange Features


3. Configure o Firewall e os Web Services


Para realizar esta configuração rode o assistente de acesso à internet e ao e-mail:


a. Acesse o console do Server Management, depois clique em Internet and E-mail;
b. Clique em Connect to the Internet para iniciar o assistente de configuração da internet, Configure E-mail and Internet Connection Wizard (CEICW);
c. Na página Welcome, clique em Next;
d. Em Connection Type, clique em Do not change connection type, então clique em Next (claro que estou partindo do partindo do princípio que falamos de um SBS que já está em uso, por isso não precisaremos alterar esta configuração);
e. Em Firewall, clique em Enable Firewall, depois clique em Next;
f. Na página Services Configuration, selecione os serviços que estão em uso na sua rede, e clique em Next;
g. Na página Web Services Configuration, selecione Outlook Mobile Access e quaisquer outros serviços que precise ter habilitados. Clique em Next;

CEICW: Web Services Configuration

h. Na página Web Server Certificate, clique em Do not change current Web server certificate, depois clique em Next (vale salientar que este certificado precisa ser exatamente do mesmo URL que o usuário digitará para acessar o servidor, caso contrário o ISA bloqueará a conexão);
i. Na página Internet E-mail, clique em Do not change Internet e-mail configuration, então clique em Next;
j. Na página Completing the Configure E-mail and Internet Connection Wizard, clique em Finish. (Não esqueça de liberar a porta 443, caso tenha um firewall externo ao seu SBS).


4. Instale o certificado


Quando você roda o assistente de acesso à internet ele já cria um certificado “auto-assinado” que pode ser o utilizado aqui (no meu caso foi ele mesmo), ou caso não se importe em gastar US$ 15.00 por ano, pode adquirir um certificado válido (eu sou da linha de só gastar quando é realmente necessário, por isso ainda uso o auto-assinado).

O seu Smartphone ou Pocket PC precisa de um acesso similar ao do OWA, portanto para obter o certificado simplesmente acesse o endereço do OWA a partir de seu navegador, clique no menu Tools, depois em Internet Options.

Agora clique na guia Content, então no botão Certificates.

Selecione a guia Trusted Root Certification Authorities e role a lista até encontrar o certificado criado pelo SBS. Você o reconhecerá por possuir o seu domínio em Issued to ou Issued by.

Agora clique em Export -> Next.

Na página Export File Format, selecione DER encoded binary X.509 (.CER) e clique em Next. Grave em uma pasta de sua preferência e feche o navegador.

Agora é a hora de instalar o certificado no seu dispositivo!

Para tanto faça o seguinte:

a. conecte o dispositivo na estação de trabalho onde instalou o ActiveSynch ou Windows Mobile Center;
b. abra o windows explorer e navegue para a pasta onde gravou o certificado;
c. copie o certificado para a pasta My Documents do dispositivo móvel;
d. abra o File Explorer (Pocket PCs) ou File Manager (Smartphones), identifique o certificado na pasta da letra c e execute ele;
e. você receberá uma solicitação de confirmação, confirme e siga.

Alguns dispositivos possuem um bloqueio que não aceita este tipo de instalação (raros são eles), neste caso precisará de um software para instalar o certificado, mas ele pode ser obtido em: http://go.microsoft.com/fwlink/?LinkId=75113


5. Configure o SBS para o MSFP


Caso ainda não o tenha instalado (apenas usuários do SBS SP1, pois o R2 já o possui), instale o Exchange SP2: http://go.microsoft.com/fwlink/?LinkId=75114

Instale a ferramenta Exchange Server ActiveSync Web Administration: http://go.microsoft.com/fwlink/?LinkId=75115

Certifique-se de que a ferramenta foi bem instalada navegando para http://localhost/mobileadmin e logando com uma conta de administrador.

Habilite o Direct Push:

a. Abra o Exchange System Manager;
b. Expanda Global Settings;
c. Dê um clique direito em Mobile Services e selecione Properties;
d. Certifique-se de que a caixa Enable Direct Push over HTTP(s) esteja selecionada.

Mobile Services Properties: Enable Direct Push

Agora habilite o Direct Push no seu dispositivo:

a. Desconecte o dispositivo de sua estação de trabalho;
b. Execute o Activesynch no dispositivo para abrir sua tela de configurações;
c. Navegue até Menu\Schedule;
d. Defina Sync during como As items arrive.


6. Configure a sincronização


a. Conecte o dispositivo à estação de trabalho;
b. Avance na tela inicial;
c. Na página Synchronize directly with a server, selecione a caixa Synchronize directly with a server running Microsoft Exchange Server e clique em Next;

Synchronization Setup Wizard: Synchronize directly with a server

d. Na página Exchange server credentials, digite o endereço público de seu servidor e suas credenciais de usuário. Selecione as caixas This server requires an encrypted (SSL) connection e Save password, depois clique em Next;

Synchronization Setup Wizard: Exchange server credentials

e. O Activesynch fará a primeira conexão com o servidor;
f. Depois basta configurar a página Synchronization Options, selecionando os itens que desejar sincronizar. Selecione Exchange Server como Source para Contacts, Calendar, Tasks e E-mail.