ISO rejeitou votos contrários ao Open XML, por falta de apoio

ISO rejeita apelações contra OpenXML

Pedidos de Brasil, Índia, África do Sul e Venezuela são descartados por falta de apoio. Organização deverá aprovar padrão da Microsoft.

Por IDG News Service/EUA

15 de agosto de 2008 – 18h39

A Organização Internacional de Padronização (da sigla em inglês, ISO) e a Comissão Eletrotécnica Internacional (da sigla em inglês, IEC) deram luz verde para publicar a especificação OpenXML, da Microsoft, rejeitando quatro apelações que tentavam rever a decisão.

Os conselhos técnicos tanto da ISO como da IEC aprovaram a publicação do ISO/IEC DIS 29500, nome oficial da especificação do OpenXML, afirmou a ISO nesta sexta-feira (15/08). O padrão deverá ser publicado nas próximas semanas após as organizações finalizarem os documentos, desde que não haja mais apelações contra a decisão.

De acordo com o anúncio, as apelações de Brasil, Índia, África do Sul e Venezuela não obtiveram o suporte necessário de dois terços dos membros dos Conselhos de Gerenciamento Técnico da ISO e da IEX, processo exigido para que o processo seja levado adiante.

No entanto, estes países podem ainda apelar aos conselheiros executivos da ISO e da IEC para revisão e processamento, que poderá atrasar mais a publicação da especificação.

No mês passado, executivos da ISO e do IEC recomendaram a rejeição às apelações dos países. Entre as razões para o pedido da apelação, estão supostas violações associadas à votação em lote realizada em fevereiro que eventualmente levou à aprovação do OpenXML em 1º de abril.

A Microsoft enviou o OpenXML à ECMA International, outro órgão de padrões, em novembro de 2005 em um esforço para passá-lo pelo processo “fast track” enquanto o padrão rival, Open Document Format, passava pelas certificação dentro da ISO.

O processo de “fast track” e a subseqüente aprovação foi pontuada por reclamações sobre um suposto comportamento inescrupuloso da Microsoft, a implementação falha da votação e a aprovação de definições amplas demais, o que levou Brasil, Índia, Venezuela e África do Sul a protestarem.


http://www.notilog.com/notilog/includes/pnewsite/notilog_2004/home/noticiaopen.php?ID=1373566&lan=por&tipo=2&cl=522

Office Open XML reconhecido por ISO e IEC

Abaixo posta a notícia original na íntegra.


http://www.iso.org/iso/pressrelease.htm?refid=Ref1151 


ISO and IEC members give go ahead on ISO/IEC DIS 29500


2008-08-15


The two ISO and IEC technical boards have given the go-ahead to publish ISO/IEC DIS 29500, Information technology – Office Open XML formats, as an ISO/IEC International Standard after appeals by four national standards bodies against the approval of the document failed to garner sufficient support.


None of the appeals from Brazil, India, South Africa and Venezuela received the support for further processing of two-thirds of the members of the ISO Technical Management Board and IEC Standardization Management Board, as required by ISO/IEC rules governing the work of their joint technical committee ISO/IEC JTC 1, Information technology.


According to the ISO/IEC rules, DIS 29500 can now proceed to publication as an ISO/IEC International Standard. This is expected to take place within the next few weeks on completion of final processing of the document, and subject to no further appeals against the decision.


The adoption process of Office Open XML (OOXML) as an ISO/IEC Standard has generated significant debate related to both technical and procedural issues which have been addressed according to ISO and IEC procedures. Experiences from the ISO/IEC 29500 process will also provide important input to ISO and IEC and their respective national bodies and national committees in their efforts to continually improve standards development policies and procedures.

Gladiatus

Esta dica é para os momentos de lazer.


 Que tal um jogo que não irá lhe tomar mais do que 15-20 minutos ao dia e ainda proporcionará uma boa diversão? Sim, é no bom e velho estilo RPG, mas vale a pena brincar.


Se interessou, pois basta clicar no link abaixo e se inscrever para começar a diversão. Ah sim, é em português para quem clicar no link abaixo.


http://s3.br.gladiatus.com/game/c.php?uid=96917


  


 


Sim, claro que estou jogando, para recomendar. Ah, claro, outra dica: É grátis!!

Certificação Grátis, corra!

Assunto: TS: Windows Server 2008 Active Directory, Configuring
Período para fazer: 31/Julho/2008 a 12/Setembro/2008
Prova: 70-113
Código Promocional: H640

Assunto:PRO: Designing a Business Intelligence Infrastructure Using Microsoft SQL Server 2008
Período para fazer: 08/Agosto/2008 a 13/Setembro/2008
Prova: 71-452
Código Promocional: 3568C

Assunto:
 PRO: Designing, Optimizing, and Maintaining a Database Administrative Solution Using Microsoft SQL Server 2008
Período para fazer: 18/Agosto/2008 a 16/Setembro/2008
Prova: 71-450
Código Promocional: 239F4

Lembrete muito importante: As vagas são limitadas. Corra!

Recursos escondidos do Windows Vista

Você estava acostumado a usar um recurso no Windows XP e agora que tem o Vista não encontra ele?


Já tentou usar TELNET via linha de comando?


Que tal alterar algumas configs do IIS ou do .NET Framework 3.0?


Você havia ouvido falar da possibilidade de uso dele com o Linux, mas nunca viu o SUA no Vista?


Gostaria de desabilitar fax e scanner e o espaço de reunião mas não sabe onde?


Compactação remota e configurações de GPO?


Ufa, chega de listar coisas e vamos direto para a solução.


Simplesmente clique em Iniciar e digite na caixa “Iniciar Pesquisa



a palavra OptionalFeatures para os recursos opcionais do Vista



 


Agora selecione os recursos que deseja ou desmarque os que não deseja



 


Aí é só aguardar pelo final da instalação/configuração



 


Normalmente não será nem necessário inserir o DVD, nem reiniciar.

Desafio da alfabetização digital

Vale a pena ler este texto do assinado pelo Michel Levy (Presidente da Microsoft Brasil).


Desafio da alfabetização digital

Desafio da alfabetização digital

Acrescente importância da Tecnologia da Informação (TI) na economia brasileira é algo que qualquer cidadão pode notar. Não só as vendas de computadores e equipamentos têm aumentado, mas também os investimentos das empresas em soluções que as auxiliem a gerar novos negócios, melhorar a produtividade e aperfeiçoar o controle de suas operações. Graças ao momento de mercado favorável e a uma série de fatores conjunturais, o segmento atravessa uma fase de alta consistente, com boas perspectivas também para os próximos anos.

Os gastos com TI já representam aproximadamente 1,8% do PIB nacional, segundo a consultoria especializada IDC, embora o país ainda esteja abaixo da média mundial (2,5%). Há hoje, aproximadamente 1,1 milhão de trabalhadores ligados diretamente ao setor – e esse número deve ultrapassar 1,5 milhão até 2011. Em unidades de computadores pessoais comercializados, o Brasil já é o quinto colocado no mundo (com 10,7 milhões de máquinas vendidas em 2007). Em 2010, a expectativa é que sejamos o terceiro maior mercado desse segmento, atrás apenas da China e dos Estados Unidos.

Mais importante do que a capacidade de geração de empregos diretos é o papel que a Tecnologia da Informação tem no desenvolvimento da economia como um todo. Quanto mais estruturado for esse segmento em determinado país, maior será seu grau de competitividade. É por isso que TI é um dos 12 pilares analisados pelo Fórum Econômico Mundial para medir o Índice de Competitividade Global de uma nação.

O crescimento do uso de computadores, telefones celulares e outros equipamentos tecnológicos é um fenômeno sem volta, mas ainda há um longo caminho a se percorrer até que seus benefícios estejam amplamente difundidos e possam ser usufruídos por todos. O planeta tem hoje 1 bilhão de habitantes incluídos digitalmente. Em contrapartida, há 5 bilhões de excluídos que não conseguem ter acesso a essa realidade. São indivíduos que estão na base ou no centro da pirâmide – e que, portanto, poderiam ter no acesso à tecnologia uma forma de inclusão e ascensão social.

A “alfabetização digital” é fundamental para que essa parcela gigantesca da população mundial aumente suas oportunidades e possa buscar melhores condições de vida. Para o economista indiano naturalizado americano Coimbatore Krishnarao Prahalad, autor de “A Riqueza na Base da Pirâmide” e outros livros sobre o tema, essa parcela da população poderá garantir o crescimento econômico e social de todo o planeta.

O Brasil dá mais ênfase à pesquisa acadêmica, deixando em segundo plano o investimento em novos produtos e serviços

Trazer esse enorme contingente populacional ao mundo conectado e às suas possibilidades é uma tarefa de todos. E a educação é, sem dúvida, o ponto de partida. É por meio de uma educação inclusiva e de qualidade que se pode investir no capital humano capaz de levar adiante um projeto de desenvolvimento e inovação. O Brasil alcançou a universalização da Educação Básica, mas ainda sofre quando entra em discussão a qualidade do ensino. O país é o 54º colocado em um ranking de conhecimentos de matemática preparado pelo Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) – fica à frente apenas de Tunísia, Qatar e Cazaquistão. Na classificação de capacidade de leitura, estamos em 50º lugar. Em ciência, ocupamos a 52ª colocação entre os 57 pesquisados.

Ao melhorar a qualidade da educação, o Brasil conseguirá fazer girar com mais velocidade o mecanismo da inovação. O país tem tradição de dar mais ênfase à pesquisa acadêmica, deixando em segundo plano o investimento em novos produtos e serviços. Mas dados recentes mostram que essa realidade começa a se alterar. Segundo indicadores do Ministério da Ciência e Tecnologia, os recursos públicos corresponderam a 58,67% do total investido em pesquisa em 2003. Em 2006, o aporte de recursos privados praticamente igualou-se ao de verbas públicas: 49,9% contra 50,1%. Essa mudança traz a perspectiva de que idéias nascidas nas universidades possam ser aperfeiçoadas e colocadas em prática com o auxílio das empresas – e muitas vezes, consigam ganhar escala e se transformar em políticas públicas.

Para que cumpram de fato sua missão, a estrutura de estímulo à inovação e o sistema de ensino devem estar a serviço da criação de empregos e de oportunidades de negócios para um número cada vez maior de pessoas. Parcerias firmadas entre empresas e a academia servem de exemplo para o desenvolvimento de soluções que atendem às necessidades de clientes de diversos portes e áreas de atuação. Essas iniciativas são essenciais para a diminuição do déficit de mão-de-obra qualificada. Também estimulam o desenvolvimento de novas tecnologias voltadas à indústria local e a renovação do espírito acadêmico. Apenas por meio da participação integrada de professores, estudantes, pesquisadores, consultores e produtores de software é possível alcançar os objetivos esperados.

Os resultados são visíveis e relevantes, sempre com a comunidade reagindo com entusiasmo. Em Salvador, por exemplo, 5,6 mil estudantes disputaram recentemente 60 vagas disponíveis em um curso de formação para programadores. Em pouco tempo, um terço dos selecionados já havia sido incorporado pelo mercado de trabalho local.

Investir em pesquisa científica, estimular os avanços tecnológicos e incentivar o empreendedorismo são estratégias certeiras para o surgimento de novas perspectivas para a população. Por meio da educação de qualidade é possível fomentar as oportunidades econômicas e sociais nas comunidades e, conseqüentemente, ter profissionais altamente capacitados para atuar no disputado mercado de trabalho. Para isso, a união entre governo, iniciativa privada e setor acadêmico é fundamental. Só assim a “base da pirâmide” poderá, de fato, se tornar o alicerce de um novo ciclo de desenvolvimento no qual todos sejam beneficiados.

Michel Levy é presidente da Microsoft Brasil.


Artigo enviado para o Jornal Valor Econômico.

Faça palestras sem a necessidade de fortes emoções

Imagine aquela palestra com slides que consumiram uma grande parcela de seu tempo e na hora da apresentação você descobre que o computador a ser usado não possui as mesmas fontes que o seu? Que pesadelo, muda tudo. Os textos ficam completamente diferentes do desejado.


Como resolver isto? Simples, integre as fontes que usou ao arquivo, desta forma nunca passará por este pesadelo.


Certo, mas e como fazer isto? Pois aqui vai a dica.


Quando finalizar a sua apresentação clique em Salvar como



 


Agora clique em Ferramentas e depois em Opções de Salvamento



Agora mande incorporar as fontes, selecionando a caixa de verificação que aparecerá na parte inferior direita da janela, conforme demonstrado abaixo



Neste caso selecionei a primeira opção, pois pretendo apenas usar a apresentação em outro computador, mas se desejar poder alterá-la, devo marcar a segunda.


Agora basta clicar em OK e em Salvar.


Fácil e rápido, mas poupa muita dor de cabeça.

Date bug kills VMWare systems

Cuidado, pois um bug pode detonar suas VMs!


http://www.theregister.co.uk/2008/08/12/vmware_12_august_esx_cockup/


 


Date bug kills VMWare systems


By Kelly Fiveash


Published Tuesday 12th August 2008 10:28 GMT


Irate VMWare customers were left unable to power up their virtual servers this morning because of a bug that killed their systems when the clock clicked round to 12 August.


The bug was sent out to customers in ESX 3.5 update 2, VMWare’s latest hypervisor, which went out on 27 July. The version could have been downloaded and installed by thousands of customers since then.


Over the past 12 hours we’ve received angry reports from businesses and individuals affected by the cock-up.


VMWare told El Reg it was aware of the problem. The firm’s group product marketing manager Martin Niemer said: “We are sending communication to all customers who have downloaded the software and we are aggressively working on a fix which should be within a short time frame.”


He declined to comment on how many customers would have been hit by the embarrassing date blunder. Niemer claimed that given it’s only been two weeks since ESX 3.5 update 2 was made available for download, it was unlikely that many people would have installed it in a live production environment.


But the firm’s forum (http://communities.vmware.com/thread/162377?tstart=0) suggests a different story. Since the problem first came to light, VMWare’s thread about the issue has been viewed more than 2,500 times.


We put that figure* to Niemer. “I cannot tell you how many customers but it only affects people who have downloaded since 27 July, so you can imagine it’s not a very big number of customers so far,” he said, before somewhat contradicting himself with this statement: “We know who they are and we’re going to contact them.”


Niemer was also unable to offer a time frame for when angry customers can expect to see a fix. “We cannot give an exact time frame but it should be within a few days… but I cannot give an exact date right now.”


We asked if the firm accepted that the bug was a major cock-up for VMWare. “We’ve identified the problem and we’re working on the fix, and of course there’s going to be a post-mortem to understand what happened,” he said.


Niemer added that a work-around has been offered whereby customers should manually set the date of all ESX 3.5u2 hosts back to 10 August as a temporary fix. However, he accepted that this was not an entirely satisfactory solution for all businesses.


Some users have complained that doing this would contradict legal requirements that they must have the correct timestamps on their system.


Reg reader Duncan said VMWare’s FAIL represented a “fantastic bug for a company trying to embed itself into the modern computing world”. While another reader, Eric, said the “time bomb” contained in the update was causing a lot of panic among businesses.


“Customers were fuming this morning having planned downtime for weeks. VMWare has a lot of answering to do on this and no doubt share price will take a hit again,” he said.


VMWare said it will keep us up to date as to when a fix will be provided. In the meantime, anyone who has downloaded the update but not installed it is best advised to leave it gathering dust. ®

Patrocínio da Microsoft à Apache Foundation

Vale a pena conferir os links do texto! 


Em um artigo recente, Roberto Prado comentou sobre o patrocínio da Microsoft à Apache Foundation. Em sua apresentação na OSCON 2008, no dia 25 de julho, Sam Ramji também falou sobre isto e ainda anunciou outras iniciativas importantes da Microsoft junto à comunidade de código aberto. Dentre elas, está a contribuição de um patch para o ADOdb, uma camada de abstração para a conexão com bases de dados para a linguagem PHP. “Esta é a nossa primeira contribuição de código para a comunidade PHP, mas não será a última”, diz Sam, que também falou um pouco mais sobre o OSP, Open Specification Program da Microsoft: “Nós esclarecemos ainda mais nosso OSP, garantindo aos desenvolvedores direitos para a construção de software de qualquer tipo, para qualquer propósito, usando nossa especificação, incluindo software para uso comercial”.